O sublime tecnológico

Ultimamente venho refletindo, principalmente devido à disciplina Conceitos Fundamentais e Práticas no Design e Estéticas Tecnológicas do programa de mestrado do TIDD sobre conceitos estéticos frente aos objetos tecnológicos.

Assim penso se as novas tecnologias da comunicação e informação são promotoras de um processo de corrosão da essência da arte, podemos entender que essa corrosão pode ser relacionado ao descontinuismo evidenciado por Gidens (1991) como uma das fortes características sociais-artística moderna (ou pós-moderna). Assim coloco pois vejo que essas tecnologias desruptoras, a um só tempo, determinaram e encaminham um movimento de trasngressão realizada pelo sublime e que na arte se caracteriza principalmente com sua produção e fruição socializadas. Lembrando que o sublime aqui é entendido como a forma de "colocar em obra a verdade".

Bom, pretendo prosseguir sobre essa reflexão em outros posts, mas vejo que o apreciar de reflexões e fazeres artísticos como uma importante forma vislumbrar a estética nesse sentido. Um bom exemplo de pensar sobre isso é: